Logo Polígrafo Portugal

Contato Directo

Tel:  (+351) 222 061 434
Tlm: (+351) 914 172 060
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Código de Ética de Polígrafo Portugal

Contrato de garantia, qualidade e serviços ǀ Os nossos compromissos como profissionais

 

CODIGO DE ETICA


1. Direitos dos examinados

Código de ética de Polígrafo Portugal1.1. Os profissionais psicofisiólogos forenses de Polígrafo Portugal deverão respeitar os direitos e dignidade de todas as pessoas (examinados) a quem eles administram exames de polígrafo.

1.2. Todo profissional de Polígrafo Portugal somente poderá realizar um exame de polígrafo a um sujeito que de forma voluntaria decidiu ser submetido a um exame do polígrafo, não importando as circunstâncias que deram origem à prova, sendo imperativamente necessário que o sujeito confirme o seu consentimento por escrito, assinando o documento correspondente. Polígrafo Portugal não administra um exame do polígrafo contra a vontade do sujeito.

1.3. Todo teste do polígrafo realizado por Polígrafo Portugal é confidencial, sendo unicamente possível a divulgação da informação obtida com explicito consentimento do sujeito submetido ao teste do polígrafo. O sujeito examinado é o único a poder indicar as pessoas ou entidade, recetoras dos resultados do teste, exceto quando requerido por ordem judicial ou por lei.


2. Restrições em exames

2.1. Nenhum exame do polígrafo será administrado a um indivíduo quando, na opinião do examinador, o individuo não está apto para a realização do teste.

2.2. Polígrafo Portugal não realiza nos exames do polígrafo, questões destinadas a investigar ou desenvolver informações sobre as atividades, afiliação ou crenças sobre religião, política ou raça salvo em caso de relevância para uma investigação específica.

2.3. Não se realizam testes do polígrafo a menores de idade sem o consentimento explicito do ou de um representante legal.

2.4. As condições nas quais um teste do polígrafo é realizado tem que ser livre de distrações.

2.5. Os técnicos realizando testes do polígrafo com uma audiência ao vivo não poderão dar uma opinião sobre a veracidade ou engano, baseando a sua opinião nos testes públicos. As opiniões necessitam ser baseadas em testes realizados em toda privacidade.


3. Exames do polígrafo

3.1. Nunca se poderá administrar um exame do polígrafo a menos que se utilize um instrumento capaz de gravar simultaneamente pelo menos três (3) componentes: Pneumógrafo, Cardio e Galvanômetro.

3.2. Não se pode emitir uma opinião, escrita ou verbal, sem realizar à pessoa examinada um mínimo de três (3) gráficos que incluem as perguntas relevantes do tema investigado em caso de testes do polígrafo específicos.


4. Restrições à emissão de pareceres

Filosofía de trabalho de Polígrafo Portugal4.1. Um profissional de Polígrafo Portugal não deve fornecer qualquer relatório ou parecer sobre a condição médica ou psicológica do examinando se não tiver a qualificação profissional para o fazer. Tal não impede ao examinador descrever a aparência ou o comportamento do examinando. As decisões do resultado do teste do polígrafo devem ser limitadas apenas aos dados obtidos pelo polígrafo.

4.2. Um profissional de Polígrafo Portugal não deve apresentar conscientemente, ou permitir que se apresente um relatório de exame enganoso ou falso do polígrafo. Cada relatório do polígrafo deve ser um relato fatual, imparcial e objetivo de informação desenvolvida durante o exame e conclusão profissional do examinador, com base na análise dos dados do polígrafo.


5. Honorários

Polígrafo Portugal não solicita ou aceita honorários, gratificações ou presentes que se destinam a influenciar a opinião final, decisão ou relatório do técnico. Não se alteram valores de honorários como resultado direto da sua opinião ou decisão posterior a um exame de polígrafo.


6. Anúncios

6.1. Um profissional de Polígrafo Portugal não deve fazer conscientemente, publicar ou fazer publicar quaisquer declarações falsas ou enganosas ou anúncios relativos à profissão do polígrafo ou de psicofisiología forense.

6.2. Polígrafo Portugal não poderá fazer nenhuma declaração pública com respeito a um exame do polígrafo a não ser com o consentimento explícito do sujeito examinado, por ordem judicial ou que esse seja o objetivo do teste.

6.3. Não se deve realizar um exame do polígrafo quando há razão para acreditar que o exame é destinado a iludir ou desafiar a lei.

 

NOTA: Caso deseja fazer uma reclamação com respeito a violação de algum de estes artigos do código de ética de Polígrafo Portugal por favor enviar email a Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. . Por favor se identificar e indicar nome do profissional de Polígrafo Portugal, data e lugar da realização do teste de polígrafo.

Compartilhar